domingo, 23 de setembro de 2012

Lista de Exercícios 11 - Segundo Reinado


1. (Puccamp) Estrangeiro é quem
mudou de país
mudou de paisagem
e fez da viagem
um modo de estar.
Quem deixou para trás
o que tinha pela frente.
Quem era igual
e se tornou diferente.
Estrangeiro é quem
mudou por inteiro:
de ares, de amigos
e até de dinheiro.
            (Alberto Martins. "A Floresta e o estrangeiro". São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2000. p. 6-7)

1. No final do século XIX, a imigração européia para o Brasil estava relacionada ao processo de unificação da Itália e Alemanha. O movimento pela unificação desses dois países foi conduzido, sobretudo, por grupos políticos que defendiam, a um só tempo, o
a) socialismo e o nacionalismo.
b) socialismo e o republicanismo.
c) liberalismo e o socialismo.
d) liberalismo e o nacionalismo.
e) comunismo e o republicanismo.

TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES.
(Pucmg) "Fugiu da fazenda do Cruzeiro, distrito da Gloria, termo de Queluz, Joaquim escravo pertencente ao tenente Antonio Lopes de Faria, com os seguintes sinais: crioulo, barbado, alto, cheio de corpo, boa dentadura, sobrancelhas serradas, na mão direita tem o dedo máximo ou 3Ž. aleijado e no cotovelo dum dos braços tem uma cortadura, pés tortos para dentro e nos dedos grandes dos pés não tem unhas, sinais de chicotadas pelo corpo, entende de carpinteiro, é bom tropeiro; dá-se a quantia de 100$000 a quem o trouxer e entregar a seu senhor e pondo em alguma cadeia ou dando notícias certas gratifica-se com 50$000 (...)."
            (Jornal O Constitucional de Ouro Preto, 20 de julho de 1879, p.4)

2. Pelas informações do anúncio, é correto afirmar que fazia parte do cotidiano do escravo, EXCETO:
a) o castigo físico, disciplinador da subordinação ao senhor.
b) o trabalho e, muitas vezes, o exercício de mais de uma atividade.
c) a aceitação social da vontade própria do escravo.
d) a rebeldia, expressa da consumação da fuga.


3. Considerando-se os dados do anúncio, a realidade e a lógica do sistema escravista no Brasil, da segunda metade do século XIX , é correto afirmar que, EXCETO:
a) a recompensa pela recaptura demonstra a valorização da mão-de-obra escrava, haja vista o fim do tráfico em 1850.
b) os escravos de autoridades militares eram mais bem tratados e tinham o reconhecimento de ser bons profissionais.
c) a descrição física detalhada do fujão ajudava na sua captura e demonstrava o processo ideológico de coisificação do escravo.
d) o jornal contribuía para a localização do paradeiro do cativo fugido, facilitando sua captura e, conseqüentemente, sua volta à vida no cativeiro.


TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES.
(Puccamp) A cidade de São Paulo nesse meio de século revelou-se solo fértil (...). Em nenhum lugar, a urbanização e o crescimento industrial atingiram tal completude, o que lhe facultou alçar-se à condição de metrópole. Ao mesmo tempo, as diferentes correntes migratórias lhe haviam imprimido um ar cosmopolita; inseridas na dinâmica econômica alteravam a estratificação social, expandindo e diversificando a ocupação do espaço de que resultaram formas renovadas de sociabilidade. Culturalmente, o legado modernista codificara uma tradição que se impôs às gerações posteriores e que puderam afirmar, dado o contexto, a necessidade de relacionamento entre criação e funcionalidade. O experimentalismo vanguardista adquiriu em São Paulo inequívoca ambientação, uma vez que o concretismo na poesia teve na cidade a sua expressão mais acabada. O quadro não se fecha sem que se considere a institucionalização da vida universitária que acabou por alterar o estilo da reflexão, assim como a constituição das organizações de cultura, os museus, os teatros, o cinema, conferiram lastro material à divulgação das obras produzidas no exterior, adensando o processo de trocas culturais.
            (Maria Arminda do Nascimento Arruda. Metrópole e Cultura: São Paulo no meio do século XX. São Paulo: EDUSP, 2001. p. 20-1)

4. Considere as afirmações sobre o surgimento das correntes migratórias mencionadas no texto.

I. A política imigracionista atendia à necessidade de substituição da mão-de-obra escrava e à crescente demanda da empresa cafeeira.
II. A Lei Eusébio de Queirós favoreceu a fixação dos imigrantes ao lhes possibilitar a compra de terras públicas.
III. Segundo a concepção dos defensores da política imigracionista, a presença de europeus favoreceria o branqueamento da sociedade brasileira.
IV. Governos europeus, no fim do século XIX, subsidiaram integralmente a vinda de camponeses ao Brasil.

São corretas SOMENTE
a) I e II
b) I e III
c) II e III
d) I, II e IV
e) I, III e IV

5. O crescimento industrial na cidade de São Paulo foi especialmente favorecido por duas medidas de grande repercussão econômica: a tarifa Alves Branco (1844) e a lei Eusébio de Queirós (1850). Elas estabeleceram, respectivamente,
a) a fixação do preço mínimo da saca de café e a autorização para o funcionamento de manufaturas em São Paulo.
b) a redução das taxas alfandegárias para os produtos importados da Inglaterra e a abertura dos portos.
c) o subsídio governamental à produção de café no Vale do Paraíba e a instituição do sistema de parceria.
d) o aumento dos impostos sobre os produtos estrangeiros importados e a extinção do tráfico negreiro.
e) a isenção de tributos sobre artigos manufaturados e a concessão de terras para imigrantes europeus.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
(Ufpe) Na(s) questão(ões) a seguir escreva nos parênteses (V) se for verdadeiro ou (F) se for falso.

6. Identifique as proposições verdadeiras e as falsas, no que se refere à abolição da escravatura.
(     ) O desenvolvimento industrial, na Inglaterra, exigia a ampliação de mercados e encontrava na escravidão um grande obstáculo.
(     ) O irrompimento da Guerra do Paraguai (1865-1870) possibilitou ao Imperador Pedro II protelar o debate sobre a escravidão, ao substituir o Gabinete Liberal de Zacarias por um Gabinete escravocrata.
(     ) As leis do Ventre-Livre (1871) e dos Sexagenários (1885) são consideradas, por um lado, concessões dos escravocratas aos abolicionistas; por outro, são tidas como fatores que enfraqueceram a luta abolicionista e adiaram a abolição por mais de dez anos.
(     ) Em Pernambuco, o Movimento Abolicionista teve no monarquista Joaquim Nabuco sua grande liderança.
(     ) A imigração italiana reforçou o sistema escravocrata depois que o tráfico de africanos para o Brasil foi proibido em 1850.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
(Puccamp) A razão mais profunda do Naturalismo foi a experiência política da geração de 1848: o fracasso da revolução, a repressão, a ascensão de Luís Napoleão - uma torva experiência que obrigou os escritores a uma concentração nos fatos, a um enfrentamento com a realidade, à mais rigorosa objetividade, no plano artístico, e, no plano ético, à solidariedade social e ao ativismo político.
            (Franklin de Oliveira. "Literatura e Civilização". Rio de Janeiro: Difel/INL, 1978, p. 74)

7. Deflagrada em Pernambuco no ano a que o texto se refere, a Revolução Praieira se insere no contexto revolucionário do século XIX e ao mesmo tempo representa uma das últimas manifestações de rebeldia ao governo imperial. O núcleo urbano que aderiu ao movimento, sob a liderança de Borges da Fonseca, pretendia a
a) antecipação da maioridade de D. Pedro, a extinção do voto censitário e a descentralização do poder político.
b) adoção do sistema federalista, a introdução do ensino primário gratuito e a coletivização da propriedade privada.
c) restauração do Conselho de Estado, a limitação do poder do rei e a instituição do parlamentarismo.
d) abolição da escravatura, a autonomia das províncias e a criação do Partido Republicano Regional.
e) extinção do Poder Moderador, a proclamação da república e a instituição do sufrágio universal.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
(Ufba) Na(s) questões adiante escreva, no espaço apropriado, a soma dos itens corretos.

8. Entre os fatores que atuaram para a extinção do trabalho escravo e o conseqüente avanço do capitalismo no Brasil, pode-se indicar:

(01) a redução do fluxo imigratório proveniente da Alemanha e da Itália, em virtude dos movimentos de unificação política e da estabilidade econômica dessas áreas.
(02) o desinteresse da burguesia cafeeira de São Paulo em continuar utilizando o trabalho escravo, uma vez que operava com o trabalho livre do imigrante europeu.
(04) o propósito do governo brasileiro de atender às solicitações da aristocracia rural, no sentido de preservar a produtividade das culturas tradicionais.
(08) a luta desenvolvida pela campanha abolicionista, o que contribuiu para uma maior conscientização do problema.
(16) a evidência do caráter antieconômico do trabalho escravo, diante da expansão das atividades industriais e do aumento dos mercados consumidores.
(32) a liberação de capitais, antes empregados no tráfico de escravos, para outras atividades, dinamizando a economia do país.

Soma (          )

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
(Ufc) Na(s) questão(ões) a seguir escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos.

9. A Revolução Praieira, ocorrida em Pernambuco (1848-1850), foi um dos principais levantes políticos durante o Império brasileiro.

Sobre este movimento político, podemos afirmar corretamente:
(01) propiciou a união de liberais, republicanos e socialistas.
(02) foi uma luta contra a oligarquia dos Cavalcanti-Albuquerque.
(04) manifestou os ideais políticos do Partido da Ordem.
(08) não contou com a participação das camadas populares.
(16) manifestou os ideais políticos do Partido da Praia.

Soma (          )

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
(Puccamp) " 'A 3 de setembro de 1825, partimos do Rio de Janeiro. Um vento fresco ajudou-nos a vencer, em 24 horas, a travessia de 70 léguas, até Santos, e isto significou dupla vantagem, porque a embarcação conduzia, também, 65 negros novos, infeccionados por sarna da cabeça aos pés'. Assim começa o mais vivo, completo e bem documentado relato da famosa Expedição de Langsdorff, que na sua derradeira e longa etapa, entre 1825 e 1829, percorreu o vasto e ainda bravio interior do Brasil, por via terrestre e fluvial - do Tietê ao Amazonas. Seu autor é um jovem francês de 21 anos, Hercules Florence, no cargo de desenhista topográfico. Encantado com as maravilhas das terras brasileiras e com seu povo hospitaleiro, Hercules Florence permaneceu aqui, ao término da expedição, escolhendo a então Vila de São Carlos, como Campinas foi conhecida até 1842, para viver o resto de sua vida. Florence morreu em 27 de março de 1879 (...)."
            (Revista: "Scientific American Brasil", n. 7, São Paulo: Ediouro, 2002. p. 60)

10. O jovem francês partiu do Rio de Janeiro, em 1825, aventurou-se por várias regiões do Brasil, fixando residência na Cidade de Campinas, até 1879. Considerando o triângulo percorrido pelo jovem - Rio de Janeiro, Santos e Campinas - e os fatos históricos no período mencionado, pode-se afirmar que
a) o Porto de Santos tornou-se conhecido, naquele contexto histórico, por ter sido o local escolhido pelo governo brasileiro para o controle de toda a exportação do café, que era produzido tanto no Vale do Paraíba como no Oeste Paulista.
b) o jovem francês partiu do Rio de Janeiro no momento em que a produção cafeeira no Vale do Paraíba declinava, trazendo prejuízos incalculáveis aos fazendeiros que fizeram altos investimentos com a compra de escravos.
c) Florence faleceu durante o período em que a cidade de Campinas registrava uma crise violenta da economia cafeeira, recuperando-se apenas no final do século com a retomada do ciclo econômico açucareiro.
d) o Porto de Santos teve um papel secundário no contexto de desenvolvimento econômico na segunda metade do século XIX, pois o mesmo não atendia às normas de segurança determinadas pelas exportadoras de café.
e) Florence esteve no Brasil durante o período da ascensão da produção cafeeira no Vale do Paraíba, presenciando inclusive a crise e a ascensão desse produto na região do Oeste Paulista.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
(Puccamp)                    Quinze de novembro

Deodoro todo nos trinques
Bate na porta de Dão Pedro Segundo.
" - Seu imperador, dê o fora
que nós queremos tomar conta desta bugiganga.
Mande vir os músicos."
O imperador bocejando responde:
"Pois não meus filhos não se vexem
me deixem calçar as chinelas
podem entrar à vontade:
só peço que não me bulam nas obras completas
                                                           [de Victor Hugo".
            (Murilo Mendes. "História do Brasil. Poemas." Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994, p. 169)

11. Considere os itens a seguir.

I. A guerra mostrou as contradições do Império brasileiro: a escravidão começou a ser questionada com grande intensidade.
II. Com a guerra, o Exército brasileiro, ao se fortalecer, tomou consciência de seu poder, recusando as lideranças civis que ocupavam as pastas militares.
III. A guerra abalou os fundamentos do Império. O declínio da monarquia foi concomitante à guerra e as críticas atingiram seu ponto vital, a escravidão.
IV. A guerra contribuiu para o declínio do tradicional modelo econômico agroexportador e como conseqüência para o isolamento da monarquia.
V. Após a guerra a monarquia conheceu uma relativa instabilidade política provocada pela luta partidária entre liberais e conservadores.

O fenômeno descrito no poema pode-se associar a Guerra do Paraguai. Sobre o assunto é correto SOMENTE o que está afirmado em
a) I, II e III.
b) I, III e V.
c) I, IV e V.
d) II, III e IV.
e) II, IV e V.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
(Puccamp) "Sob os preceitos do Iluminismo (...) a Academia Francesa de Ciências assumiu a incumbência de criar medições padronizadas. (...) A Academia convencionou que a unidade-padrão de comprimento seria a décima milionésima parte da distância entre o Pólo Norte e o Equador. (...) Os padrões de massa e de volume foram calculados a partir do metro, seguindo o mesmo princípio. O grama foi definido como a massa de 1 decímetro cúbico de água pura a 4 °C, temperatura em que atinge a maior densidade. O litro passou a equivaler ao volume de um cubo com 10 centímetros de lado (ou seja, 1 centímetro cúbico). Foi uma mudança e tanto. (...) Apesar da revolução no pensamento e na concepção de mundo, um fator não mudou: as medidas continuaram a ser usadas como instrumento de poder. (...) Na época, dois impérios rivalizavam em equilíbrio de poder: o francês, sob o comando de Napoleão Bonaparte, e o inglês. Por isso, a França e todos sob sua influência direta ou indireta adotaram o sistema métrico decimal, como o Brasil, que, em 1862, por decreto de dom Pedro II, abandonou as medidas de varas, braças, léguas e quintais para aderir ao metro."
            (Revista "Superinteressante", n. 186, São Paulo: Abril, 2003. p. 45-6)

12. A sociedade imperial brasileira herdou várias influências européias. Além do sistema métrico, no Segundo Reinado adotou-se na prática o parlamentarismo no Brasil, por influência inglesa. No entanto, este diferia do inglês, uma vez que o
a) partido que detinha a maioria no Parlamento indicava o primeiro-ministro, que muitas vezes vetou determinados projetos de lei provenientes do poder imperial.
b) gabinete não dependia inteiramente do Parlamento mas, principalmente, do Poder Moderador.
c) poder legislativo tinha autonomia política para indicar os membros do gabinete ministerial e para dissolvê-lo quando este fosse incompatível com o Senado.
d) parlamento brasileiro era mais democrático, pois previa a participação das mulheres nas eleições provinciais.
e) imperador acumulava as funções de monarca e de primeiro-ministro, previsto inclusive na Constituição de 1824.

TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES.
(Fuvest) A(s) questão(ões) seguinte(s) é(são) composta(s) por três proposições I, II e III que podem ser falsas ou verdadeiras. examine-as identificando as verdadeiras e as falsas e em seguida marque a alternativa correta dentre as que se seguem:

a) se todas as proposições forem verdadeiras.
b) se apenas forem verdadeiras as proposições I e II.
c) se apenas forem verdadeiras as proposições I e III.
d) se apenas forem verdadeiras as proposições II e III.
e) se todas as proposições foram falsas.

13. I. A cessação do tráfico negreiro (1850) não provocou escassez de mão-de-obra para os fazendeiros das províncias do Norte, graças ao grande número de escravos adquiridos nos Estados Unidos.
II. Uma das primeiras tentativas de implantação do trabalho livre, no Brasil, foi o sistema de parceria.
III. A industrialização foi possível, entre outros fatores, pela acumulação de capital proveniente da economia cafeeira.

14. I. O regime republicano instituído em 1889 pode ser interpretado como uma espécie de ajustamento político às mudanças ocorridas na sociedade e na economia do país.
II. Canudos foi um episódio de rebeldia contra o sistema de dominação rural.
III. Na "política dos governadores", Minas Gerais e Rio Grande do Sul desempenharam os papéis mais importantes, seguidos de São Paulo.

TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES.
(Ufmt) Na(s) questão(ões) a seguir julgue os itens e escreva nos parênteses (V) se for verdadeiro ou (F) se for falso.

15. Em relação ao contexto monárquica brasileiro (1822/1889), julgue os itens.

(     ) Um dos fatores de ordem política que favoreceu a abdicação de D. Pedro I (1831) foi a  permanência de interesses lusitanos na vida brasileira apoiados pelo absolutismo governamental, em choque com o liberalismo da elite dominante.
(     ) O sistema eleitoral adotado pela Constituição de 1824 estabelecia o voto censitário o que significava que para ser eleitor era necessário determinada renda anual .
(     ) Conservador e Liberal eram os partidos políticos do Segundo Reinado que representavam os senhores de escravos e proprietários de terras.
(     ) Uma das condições que favoreceu o desenvolvimento da atividade industrial no Segundo Reinado foi a criação de incentivos à exportação de produtos industrializados.
(     ) Entre os fatores que contribuíram para a passagem da monarquia à República destaca-se a luta entre o Partido Conservador, que defendia a Monarquia, e o Partido Liberal, que desejava a forma republicana.

16. A Lei Eusébio de Queirós (1850) extinguiu no Brasil o tráfico de escravos condenando a estrutura escravista. A partir de então a elite preocupou-se em garantir que a abolição definitiva não prejudicasse os interesses dos proprietários. A respeito, julgue os itens.

(     ) A Lei Visconde do Rio Branco ou Lei do Ventre Livre estabelecia que a partir de 1871 todos os filhos de escravas seriam livres devendo ficar com a mãe até os 8 anos, quando o proprietário receberia uma indenização, ou seriam mantidos até os 21 anos, para ressarcir os gastos com seu sustento.
(     ) Em 1885 a Lei Saraiva-Cotegipe ou Lei do Sexagenário libertava o escravo com mais de 65 anos. Quando aplicada, desamparava o escravo que com essa idade tinha dificuldade de prover seu sustento.
(     ) O exército desempenhou um importante papel na captura de escravos fugitivos sendo, até a abolição, importante aliado dos proprietários.

TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES.
(Ufpr) Na(s) questão(ões) a seguir, escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos.

17. A economia cafeeira foi o principal meio de acumulação de capital no Brasil durante o século XIX. " É na região do café que o desenvolvimento das relações capitalistas é mais acelerado e é aí que se encontra a maior parte da industrialização nascente brasileira."
            (SILVA, Sérgio. EXPANSÃO CAFEEIRA E ORIGENS DA INDÚSTRIA NO BRASIL. São Paulo, Alfa-Omega, 1976.)

A respeito dessas questões, é correto afirmar que:
(01) O incremento do consumo de café na Europa e nos Estados Unidos foi um dos fatores determinantes para a expansão da lavoura cafeeira no Brasil.
(02) A lavoura cafeeira transformou a Região Sudeste na mais importante, economicamente, do país.
(04) Ao se examinar o processo histórico brasileiro, nota-se que há ligação entre expansão cafeeira, imigração, urbanização e industrialização.
(08) A burguesia agro-exportadora foi responsável pela industrialização maciça que antecedeu o grande impulso da economia cafeeira.
(16) Apesar da dependência do mercado externo, a economia cafeeira acabou favorecendo, mesmo que indiretamente, o crescimento industrial do Brasil.

soma = (           )

18. Em 1850, o Segundo Império brasileiro atingiu seu apogeu. E esse apogeu coincidiu, historicamente, com o do primeiro ciclo do café, as questões platinas, o parlamentarismo e a arte neoclássica e romântica. No que diz respeito ao sistema parlamentarista brasileiro do Império, é correto afirmar que:

(01) O Imperador designava o presidente do Conselho de Ministros.
(02) O Presidente do Conselho de Ministros escolhia os demais ministros.
(04) Todos os ministros eram responsáveis perante a Câmara de Deputados.
(08) O parlamentarismo de então se pautava pelo modelo inglês.
(16) O Monarca podia dissolver a Câmara de Deputados e convocar novas eleições.
(32) As eleições eram diretas e o sufrágio era universal, durante a vigência do parlamentarismo do Império.

soma = (           )

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
(Ufba) Assinale as proposições corretas, some os números a elas associados e marque no espaço apropriado.

19. TEXTO I: "Eu não vejo salvação possível para o estado desolador desta província, senão quando variarmos de cultura e tratarmos de proteger direta e indiretamente a indústria manufatureira. Sem esta indústria não pode manter-se a riqueza pública."
            (Gordilho apud ALENCAR, p. 150)

TEXTO II: "Não pertenço ao número dos que se incomodam por existir em nossa Província um só gênero de cultura: em regra geral ninguém vai explorar uma fonte de que lhe provenha receita menor, quando pode ter outra mais abundante."
            (Barão de Parnaíba apud TEIXEIRA, p. 205)

Com base na análise dos textos e nos conhecimentos sobre a situação econômica do Brasil, durante o Segundo Reinado, pode-se afirmar:

(01) Os autores dos dois textos discutem o mesmo tema, usando argumentação diferente e concordando nas conclusões.
(02) Segundo se depreende dos dois textos, a economia brasileira, na segunda metade do século XIX, se manteve como fornecedora de gêneros alimentícios e matérias-primas para os países industrializados.
(04) O autor do texto II defende a monocultura do café, porque os grandes lucros dela decorrentes conseguiram reintegrar a economia agrícola brasileira no mercado mundial.
(08) Na década de sessenta, a crescente produção de algodão, no Brasil, estava diretamente relacionada ao desenvolvimento da indústria têxtil, nas áreas produtoras.
(16) A partir da década de setenta, com o surto industrial, empresários de maior visão passaram a pressionar o governo, buscando maior proteção à indústria brasileira.
(32) O crescimento da produção cafeeira, no período considerado, possibilitou a instalação das primeiras ferrovias brasileiras, com forte presença do capital inglês.
(64) O desenvolvimento do capitalismo internacional refletiu-se no Brasil dessa época, propiciando profundas alterações na estrutura da propriedade da terra e na liderança político-econômica da burguesia urbana.

Soma (          )

20. (Ufsc) Assinale a ÚNICA proposição CORRETA. Nos ciclos seqüenciais da economia do Brasil, a ordem cronológica é:
(01) pau-brasil, açúcar, ouro, café.
(02) pau-brasil, ouro, açúcar, café.
(04) pau-brasil, café, ouro, açúcar.
(08) pau-brasil, açúcar, café, ouro.




21. (Ufv) Comparando a atividade cafeeira com a atividade açucareira, no Brasil na primeira metade do século XIX , pode-se afirmar que:
a) as duas atividades, pela sua localização, incrementaram o comércio, as cidades regionais, a indústria nacional e a construção de ferrovias.
b) as duas atividades basearam-se na grande propriedade monocultora, na mão-de-obra escrava e na utilização de recursos técnicos rudimentares.
c) a primeira concentrou-se inicialmente no oeste paulista, apesar de a região não possuir relevo e solos adequados ao cultivo.
d) na segunda, por se tratar de uma cultura temporária, havia um custo menor de instalação desde o plantio até a sua transformação.
e) a primeira usou as colônias de parceria como forma de suprir a escassez de mão-de-obra, desde as primeiras áreas cultivadas no período colonial.

22. (Pucpr) Considerando a economia Colonial e Imperial no Brasil, a mão-de-obra escrava negra esteve MENOS presente nos trabalhos:

a) das atividades dos cafezais fluminenses (Rio de Janeiro).
b) do ciclo do ouro ou da mineração.
c) do ciclo do gado ou pecuária nordestina.
d) do ciclo do açúcar ou açucareiro.
e) do pequeno ciclo dos diamantes, paralelo ao ciclo da mineração.

23. (Fuvest) No tocante à economia açucareira do Brasil, ao longo do século XIX, podemos afirmar que
a) praticamente desapareceu, pois o café se tornou o produto quase exclusivo das exportações.
b) regrediu consideravelmente devido à concorrência norte-americana e à introdução do açúcar de beterraba na Europa.
c) conheceu um relativo renascimento, graças ao fim da exploração em grande escala de metais preciosos que drenava todos os recursos.
d) ficou estagnada, acompanhando o baixo nível das atividades econômicas em declínio após o fim da exploração de metais preciosos em grande escala.
e) regrediu consideravelmente devido à concorrência antilhana e à introdução de açúcar de beterraba na Europa.

24. (Fuvest) A economia brasileira, durante o período monárquico, caracterizou-se fundamentalmente
a) pelo princípio da diversificação da produção agrária e pelo incentivo ao setor de serviços.
b) pelo estímulo à imigração italiana e espanhola e pelo fomento à incipiente indústria.
c) pela regionalização econômica e pela revolução no sistema bancário nacional.
d) pela produção destinada ao mercado externo e pela busca de investimentos internacionais.
e) pela convivência das mãos-de-obra escrava e imigrante e pelo controle do "déficit" público.

25. (Fuvest) Sobre a condição dos escravos no Brasil monárquico, é possível afirmar que eles
a) foram protagonistas de diversas rebeliões.
b) eram impedidos de constituir família.
c) sofreram a destruição completa de sua cultura.
d) concentravam-se no campo, não trabalhando nas cidades.
e) não tinham possibilidades legais de conseguir alforria.

26. (Ufg) (...) Sejamos francos: o tráfico, no Brasil, prendia-se a interesses, ou para melhor dizer, a presumidos interesses dos nossos agricultores; e num país em que a agricultura tem tamanha força, era natural que a opinião pública se manifestasse em favor do tráfico: a opinião pública que tamanha influência tem, não só nos governos representativos, como até nas monarquias absolutas. O que há para admirar em que nós todos, amigos ou inimigos do tráfico, nos curvássemos a essa necessidade?

O texto acima é parte de um discurso de Eusébio de Queiroz, calorosamente aplaudido na Câmara, que encaminhou a lei antitráfico, em 1850.
Acerca do debate sobre o fim do tráfico, pode-se afirmar que

(     ) o tráfico de escravos permaneceu como prática corrente, defendida pelos agricultores com a conivência do Estado brasileiro, apesar dos acordos firmados entre Brasil e Inglaterra para pôr fim a essa atividade econômica.
(     ) a luta contra o tráfico de escravos encontrou, no ambiente urbano, o clima propício para empolgar políticos e intelectuais que se mobilizaram, na primeira metade do século XIX, para a luta contra essa atividade.
(     ) os argumentos favoráveis à continuidade do tráfico de escravos estavam associados à defesa da soberania nacional ameaçada pelos ingleses, que aprisionavam os navios negreiros.
(     ) os ingleses adotaram o trabalho assalariado, como forma predominante, em seu vasto império colonial, pois estavam coerentes com os princípios democráticos que orientaram sua ação colonizadora; desse modo, era natural que liderassem a luta contra o tráfico de escravos e a escravidão, nos séculos XVIII e XIX.

27. (Ufc) Em 29 de maio de 1829, oficiais ingleses abordaram o navio Veloz. "Os diários de bordo e mais papéis do Capitão foram examinados... estavam em ordem. O número de pessoas transportadas obedecia ao que estipulava a lei..."
GÓES José Roberto Pinto de, Cordeiros de Deus: tráfico, demografia e política no destino dos escravos, em: Marco. A. Pamplona (org.) Escravidão, exclusão e cidadania. Rio de Janeiro, Access, 2001, p. 23

Com base no texto acima e em seus conhecimentos, assinale a alternativa correta sobre o tráfico de escravos, durante o Império.
a) A Inglaterra vistoriava os navios para impedir o contrabando de produtos que pudessem concorrer com as manufaturas inglesas.
b) Os traficantes de escravos obedeceram aos tratados e leis firmados com a Inglaterra, inclusive os compromissos assumidos por Portugal, a partir da transferência da Corte.
c) Portugal tinha se comprometido a limitar a prática do tráfico ao sul do equador e, desde então, a Inglaterra tinha o direito de vigiar pelo cumprimento dos acordos firmados.
d) Tratados firmados entre o Brasil e a Angola proibiam o tráfico ao sul do equador.
e) Os tratados assinados, em 1810 e 1831, permitiam aos piratas de Sua Majestade seqüestrar carregamentos de escravos e levá-los para as plantações do Caribe.

28. (Uel) Analise a imagem a seguir.


O pintor francês João Batista Debret, que viveu no Brasil entre 1816 e 1831, registrou, como cronista e ilustrador, a vida do Rio de Janeiro colonial. Na imagem em destaque, que retrata o passeio de uma família abastada, estão registrados alguns elementos da diferenciação social no país. Com base na imagem e nos conhecimentos sobre escravismo no Brasil, considere as afirmativas a seguir.

I. A freqüente integração dos escravos negros às famílias de brancos abastados garantiu, após a abolição da escravidão, um melhor posicionamento dos libertos na economia urbana, como mão-de-obra qualificada.
II. Após a Independência, o escravismo continuou sendo a base do sistema produtivo, embora a estruturação do Estado Nacional tenha fortalecido a burocracia estatal e a camada de profissionais liberais urbanos.
III. Com a iminência do fim do escravismo, a implantação de pequenas e médias propriedades converteu-se na preocupação fundamental tanto dos homens públicos quanto dos fazendeiros.
IV. A interdição das terras somada à inserção de um número crescente de imigrantes estrangeiros na economia brasileira foram fundamentais no processo de marginalização dos escravos libertos.

Estão corretas apenas as afirmativas:
a) I e IV.
b) II e III.
c) II e IV.
d) I, II e III.
e) I, III, e IV.

29. (Ufpe) Uma análise das relações sociais de poder no Brasil Império mostra mudanças importantes com relação ao período colonial. Na época do Império, a sociedade brasileira:
a) tornou-se mais democrática, com o declínio acentuado da escravidão depois de 1840, e com a vinda de imigrantes europeus que traziam idéias modernizadoras.
b) manteve a escravidão como fonte de produção de riqueza, embora restrita à cultura do café, no oeste paulista e no interior do Rio de Janeiro.
c) conseguiu livrar-se das influências européias, afirmando uma matriz, respeitando as tradições seculares de sua história.
d) permaneceu marcada pelo escravismo, embora já houvesse mudanças de muitos hábitos, por influência da modernização de alguns setores.
e) conviveu com rebeliões políticas freqüentes, lideradas pelos liberais radicais e movidas por idéias abolicionistas e republicanas.

30. (Ufsc)          "Estávamos na horta da minha casa, e o preto andava em serviço; chegou-se a nós e esperou.
            - É casado, disse eu para Escobar. Maria onde está?
            - Está socando milho, sim, senhor.
            - Você ainda se lembra da roça, Tomás?
            - Alembra, sim, senhor.
            - Bem, vá-se embora.
            Mostrei outro, mais outro, e ainda outro, este Pedro, aquele José, aquele outro Damião...
            - Todas as letras do alfabeto, interrompeu Escobar.
            Com efeito, eram diferentes letras, e só então reparei nisto; apontei ainda outros escravos, alguns com os mesmos nomes, distinguindo-se por um apelido, ou da pessoa, como João Fulo, Maria Gorda, ou de nação como Pedro Benguela, Antônio Moçambique...
            - E estão todos aqui em casa? perguntou ele.
            - Não, alguns andam ganhando na rua, outros estão alugados. Não era possível ter todos em casa. Nem são todos os da roça; a maior parte ficou lá.
            - O que me admira é que D. Glória se acostumasse logo a viver em casa da cidade, onde tudo é apertado; a de lá é naturalmente grande.
            - Não sei, mas parece. Mamãe tem outras casas maiores que esta; diz porém que há de morrer aqui. As outras estão alugadas. Algumas são bem grandes, como a da Rua da Quitanda..."
            ASSIS, Machado de."Dom Casmurro". São Paulo: FTD, 1991,  p. 145.

No diálogo anterior, Escobar e Bentinho conversam sobre os escravos da família deste.
Sobre o período da escravidão no Brasil, é CORRETO afirmar que:

(01) a presença dos escravos no Brasil Imperial podia ser percebida em diferentes atividades, desde os trabalhos nas lavouras até serviços domésticos nas casas de fazenda e centros urbanos.
(02) os escravos eram trazidos da África, provenientes de uma única região. Isto facilitou a socialização entre os grupos de escravos trazidos ao Brasil.
(04) a submissão ao senhor latifundiário era incontestada. Prova disso é a inexistência de fontes históricas que provem a resistência dos escravos às péssimas condições de vida às quais eram submetidos.
(08) a concentração da propriedade nas mãos de poucos foi uma característica do período de escravidão no Brasil. Um grande proprietário de terras também podia possuir imóveis urbanos que contribuíam em muito para o aumento de sua riqueza.
(16) a extinção da escravidão garantiu melhores condições de vida aos africanos e seus descendentes, uma vez que a eles eram garantidas as vagas nas indústrias emergentes no Brasil.
(32) durante o período de introdução da cultura cafeeira no Brasil, o trabalho escravo já não era mais utilizado.

31. (Fuvest) "Naquela época não tinha maquinaria, meu pai trabalhava na enxada. Meu pai era de Módena, minha mãe era de Capri e ficaram muito tempo na roça. Depois a família veio morar nessa travessa da avenida Paulista; agora está tudo mudado, já não entendo nada dessas ruas".

Esse trecho de um depoimento de um descendente de imigrante, transcrito na obra MEMÓRIA E SOCIEDADE, de Ecléa Bosi, constitui um documento importante para a análise
a) do processo de crescimento urbano paulista no início do século atual, que desencadeou crises constantes entre fazendeiros de café e industriais.
b) da imigração européia para o Brasil, organizada pelos fazendeiros de café nas primeiras décadas do século XX, baseada em contratos de trabalho conhecidos como "sistema de parceria".
c) da imigração italiana, caracterizada pela contratação de mão-de-obra estrangeira para a lavoura cafeeira, e do posterior processo de migração e de crescimento urbano de São Paulo.
d) do percurso migratório italiano promovido pelos governos italiano e paulista, que organizavam a transferência de trabalhadores rurais para o setor manufatureiro.
e) da crise na produção cafeeira da primeira década do século XX, que forçou os fazendeiros paulistas a desempregar milhares de imigrantes italianos, acelerando o processo de industrialização.

32. (Fuvest) No século XIX, a imigração européia para o Brasil foi um processo ligado:
a) a uma política oficial e deliberada de povoamento, desejosa de fixar contingentes brancos em áreas estratégicas e atender grupos de proprietários na obtenção de mão-de-obra.
b) a uma política organizada pelos abolicionistas para substituir paulatinamente a mão-de-obra escrava das regiões cafeeiras e evitar a escravização em novas áreas de povoamento no sul do país.
c) às políticas militares, estabelecidas desde D. João VI, para a ocupação das fronteiras do sul e para a constituição de propriedades de criação de gado destinadas à exportação de charque.
d) à política do partido liberal para atrair novos grupos europeus para as áreas agrícolas e implantar um meio alternativo de produção, baseado em minifúndios.
e) à política oficial de povoamento baseada nos contratos de parceria como forma de estabelecer mão-de-obra assalariada nas áreas de agricultura de subsistência e de exportação.

33. (Fuvest) Há mais de um século, teve início no Brasil um processo de industrialização e crescimento urbano acelerado. Podemos identificar, como condições que favoreceram essas transformações:
a) a crise provocada pelo fim do tráfico de escravos que deu início à política de imigração e liberou capitais internacionais para a instalação de indústrias.
b) os lucros auferidos com a produção e a comercialização do café, que deram origem ao capital para a instalação de indústrias e importação de mão-de-obra estrangeira.
c) a crise da economia açucareira do nordeste que propiciou um intenso êxodo rural e a conseqüente aplicação de capitais no setor fabril em outras regiões brasileiras.
d) os capitais oriundos da exportação da borracha amazônica e da introdução de mão-de-obra assalariada nas áreas agrícolas cafeeiras.
e) a crise da economia agrícola cafeeira, com a abolição da escravatura, ocasionando a aplicação de capitais estrangeiros na produção fabril.

34. (Pucsp) "A enorme visibilidade do poder era sem dúvida em parte devida à própria monarquia com suas pompas, seus rituais, com o carisma da figura real. Mas era também fruto da centralização política do Estado. Havia quase unanimidade de opinião sobre o poder do Estado como sendo excessivo e opressor ou, pelo menos, inibidor da iniciativa pessoal, da liberdade individual. Mas (...) este poder era em boa parte ilusório. A burocracia do Estado era macrocefálica: tinha cabeça grande mas braços muito curtos. Agigantava-se na corte mas não alcançava as municipalidades e mal atingia as províncias. (...) Daí a observação de que, apesar de suas limitações no que se referia à formulação e implementação de políticas, o governo passava a imagem do todo-poderoso, era visto como o responsável por todo o bem e todo o mal do Império."
            Carvalho, J. Murilo de. TEATRO DE SOMBRAS. Rio de Janeiro, IUPERJ/ Vértice, 1988.

O fragmento acima refere-se ao II Império brasileiro, controlado por D. Pedro II e ocorrido entre 1840 e 1889. Do ponto de vista político, o II Império pode ser representado como:
a) palco de enfrentamento entre liberais e conservadores que, partindo de princípios políticos e ideológicos opostos, questionaram, com igual violência, essa aparente centralização indicada na citação acima e se uniram no Golpe da Maioridade.
b) jogo de aparências, em que a atuação política do Imperador conheceu as mudanças e os momentos de indefinição acima referidos - refletindo as próprias oscilações e incertezas dos setores sociais hegemônicos -, como bem exemplificado na questão da Abolição.
c) cenário de várias revoltas de caráter regionalista - entre elas a Farroupilha e a Cabanagem - devido à incapacidade do governo imperial controlar, conforme mencionado na citação, as províncias e regiões mais distantes da capital.
d) universo de plena difusão das idéias liberais, o que implicou uma aceitação por parte do Imperador da diminuição de seus poderes, conformando a situação apontada na citação e oferecendo condições para a proclamação da República.
e) teatro para a plena manifestação do poder moderador que, desde a Constituição de 1824, permitia amplas possibilidades de intervenção políticas para o Imperador - daí a idéia de centralização da citação - e que foi usado, no Segundo Reinado, para encerrar os conflitos entre liberais e socialistas.

35. (Unesp) No decurso do Primeiro Reinado, vieram à tona conflitos, contradições e crises. No período Regencial, marcado por agitações sociais e políticas, a grave e prolongada crise econômica e financeira começou a ser superada com:
a) o auge da mineração.
b) o surto da cafeicultura.
c) a utilização do açúcar de beterraba.
d) a lei e a ordem impostas pela Guarda Federal.
e) o aumento na exportação de algodão para os Estados Unidos.

36. (Unesp) O Segundo Reinado, preso ao seu contexto histórico, não foi capaz de dar resposta às novas exigências de mudanças. Quando se analisa a desagregação da ordem monárquica imperial brasileira, percebe-se que ela se relacionou principalmente com a:
a) estrutura federativa vigente e a conspiração tutelada pelo exército.
b) bandeira do socialismo levantada pelos positivistas.
c) eliminação da discriminação entre brancos e negros.
d) forte diferenciação ideológica entre os partidos políticos.
e) abolição da escravidão e o desinteresse das elites agrárias com a sorte do Trono.

37. (Unesp) O transporte ferroviário no Brasil, da segunda metade do Século XIX ao início do Século XX, mereceu prioritariamente o interesse estatal e particular. As condições históricas relacionadas com a ampliação da rede em ritmo crescente foram:
a) expansão da cafeicultura, principalmente em São Paulo, e o escoamento da produção para o exterior.
b) reservas de minério de ferro, do quadrilátero ferrífero, pouco acessíveis e demasiado distantes dos centros urbanos mais expressivos.
c) políticas de industrialização e de reflorestamento.
d) capitais externos em busca de lucros para a indústria automotiva e para as empresas distribuidoras de petróleo.
e) devastações de pinhais para a extração de madeira e para a produção de papel.

38. (Unitau) "Principal responsável pelas transformações econômicas, sociais e políticas ocorridas no Brasil na segunda metade do século XIX, reintegrou a economia brasileira nos mercados internacionais, contribuiu decisivamente para o incremento das relações assalariadas de produção e possibilitou a acumulação de capital que, disponível, foi aplicado em sua própria expansão e em alguns setores urbanos como a indústria, por exemplo. Foi ainda responsável pela inversão na balança comercial brasileira que, depois de uma história de constantes déficits, passou a superavitária entre os anos de 1861 a 1885".

O parágrafo acima refere-se:
a) à Borracha.
b) ao Cacau.
c) ao Algodão.
d) à Cana-de-Açúcar.
e) ao Café.

39. (Unitau) A partir do golpe da maioridade, em 1840, a vida partidária brasileira resumiu-se a dois partidos: o antes partido progressista passou a chamar-se partido liberal e o regressista passou a chamar-se partido conservador. Pode-se considerar como característica desses partidos:
a) Os partidos do império sempre tiveram plataformas políticas bem definidas.
b) As divergências entre as várias classes da sociedade brasileira estavam representadas nos programas partidários.
c) Do ponto de vista ideológico, não havia diferenças entre os liberais e conservadores, pois eram "farinha do mesmo saco".
d) Os conservadores sempre estiveram no poder e os liberais sempre estiveram na oposição.
e) Ambos tinham influência ideológica externa nos seus programas, apesar de proibido por lei.

40. (Fuvest) O Bill Aberdeem, aprovado pelo Parlamento inglês em 1845, foi:
a) uma lei que abolia a escravidão nas colônias inglesas do Caribe e da África.
b) uma lei que autorizava a marinha inglesa a apresar navios negreiros em qualquer parte do oceano.
c) um tratado pelo qual o governo brasileiro privilegiava a importação de mercadorias britânicas.
d) uma imposição legal de libertação dos rescém-nascidos, filhos de mãe escrava.
e) uma proibição de importação de produtos brasileiros para que não concorressem com os das colônias antilhanas.

41. (Fuvest-gv) Partindo do Rio de Janeiro, a cultura do café expandiu-se:
a) pelo litoral rumo à região açucareira de Campos e, transpondo a serra do mar, pelo Vale do São Francisco.
b) pelas serras do Rio de Janeiro, Sul de Minas, Vale do Paraíba e Oeste Paulista.
c) pelo litoral sul de São Paulo, Vale do Ribeira e Vale do Paranapanema.
d) pelo litoral fluminense e espírito-santense rumo à Bahia.
e) nas áreas de colonização européia do Vale do Itajaí e da serra gaúcha.

42. (Fuvest-gv) O lema "Ordem e Progresso" inscrito na bandeira do Brasil, associa-se aos:
a) monarquistas.
b) abolicionistas.
c) positivistas.
d) regressistas.
e) socialistas.

43. (Fuvest) O descontentamento do Exército, que culminou na Questão Militar no final do Império, pode ser atribuído:
a) às pressões exercidas pela Igreja junto aos militares para abolir a monarquia.
b) à propaganda do militarismo sul-americano na imprensa brasileira.
c) às tendências ultrademocráticas das forças armadas, que desejavam conceder maior participação política aos analfabetos.
d) à ambição de iniciar um programa de expansão imperialista na América Latina.
e) à predominância do poder civil que não prestigiava os militares e lhes proibia o debate político pela imprensa.

44. (Unesp) O resultado da discussão política e a aprovação da antecipação da maioridade de D. Pedro II representou:
a) o pleno congraçamento de todas as forças políticas da época.
b) a vitória parlamentar do bloco partidário liberal.
c) a trama bem-sucedida do grupo conservador que fundara a Sociedade Promotora da Maioridade.
d) a anulação da ordem escravista que prevalecia sobre os interesses particulares.
e) a debandada do grupo político liderado por um proprietário rural republicano.

45. (Unesp) A adoção do sistema de parceria, como alternativa para o suprimento de mão-de-obra livre na lavoura cafeeira, representou experiência:
a) única para o acesso legal à propriedade da terra.
b) ensaiada pelo governo federal, apesar da forte oposição oferecida pelo governador Nicolau Vergueiro.
c) que dispensava acordo contratual.
d) que se revelou prejudicial aos imigrantes, conforme relato elaborado por um colono europeu.
e) que não implicava no reembolso de despesas e endividamento prolongado.

46. (Cesgranrio) As Leis Abolicionistas, a partir de 1850, podem ser consideradas como o nível político da crise geral da escravidão no Brasil, porque:
a) a Lei Eusébio de Queiroz (1850) proibiu o tráfico quando a necessidade de escravos já era declinante, face à crise da lavoura.
b) o sucesso das experiências de parceria acelerou a emancipação dos escravos, crescendo um mercado de mão-de-obra livre no país.
c) a Lei do Ventre Livre (1871) representou uma vitória expressiva do movimento abolicionista, tornando irreversível o fim da escravidão.
d) as sucessivas leis emancipacionistas foram paralelas à progressiva substituição do trabalho escravo por homens livres.
e) a Lei Áurea, iniciativa da própria Coroa, visava a garantir a estabilidade e o apoio dos setores rurais ao Império.

47. (Fuvest) Nas atas dos debates parlamentares e nos jornais brasileiros da década de 1850, encontram-se muitas referências, positivas ou negativas, à Inglaterra.   Estas últimas, em geral, devem-se à irritação provocada em setores da sociedade brasileira por pressões exercidas pelo governo inglês para:
a) diminuir gradativamente a utilização de escravos na agricultura de exportação.
b) dar ao protestantismo o mesmo status de religião oficial que tinha o catolicismo.
c) impedir o julgamento por tribunais brasileiros de um oficial inglês que assassinou um cidadão brasileiro.
d) a extinção do tráfico de escravos, tendo seus objetivos sido alcançados em 1850.
e) subordinar a política externa brasileira a interesses Ingleses na África a na Ásia.

48. (Fuvest) Fazendo um balanço econômico do Segundo Reinado, podemos afirmar que ele foi um período no qual:
a) algumas atividades ganharam importância, como a criação do gado no Rio Grande do Sul e as lavouras de açúcar no Nordeste.
b) o Brasil deixou de ser um país essencialmente agrário, ingressando na era da industrialização.
c) a Amazônia passou a ter um grande destaque com o "boom", desde 1830, da produção da borracha.
d) ocorreram grandes transformações econômicas com as quais o centro-sul ganhou projeção em detrimento do nordeste.
e) as diversas regiões brasileiras tiveram um crescimento econômico constante, uniforme e progressivamente integrado.

49. (Fuvest) Quintino Bocaiúva, pouco antes da proclamação da República, disse:

"Sem a força armada ao nosso lado, qualquer agitação de rua seria não só um ato de loucura... mas principalmente uma derrota de rua antecipada."

A propósito da participação dos militares na Proclamação da República, pode-se afirmar que:
a) o Republicanismo era um movimento uniforme, articulado em torno de proposições como a de uma aliança sólida e permanente com os militares.
b) Silva Jardim e Benjamim Constant eram partidários de uma revolução popular, apoiada pelos militares, visando universalizar a cidadania.
c) a pluralidade de propostas políticas e sociais existente se traduzia em divergências variadas, como o papel dos militares na eclosão do movimento.
d) revela o desinteresse de todas as lideranças do exército com relação à questão da cidadania, da adesão popular e da participação democrática.
e) o Republicanismo brasileiro foi inspirado pelos EUA, onde os militares desempenharam um papel preponderante na criação do Regime Republicano.

50. (Puccamp) "... a exploração agrícola pelo método (...) repousa na divisão do produto da colheita entre o proprietário da terra e o lavrador que nela trabalha. O primeiro entra com o capital, (...) e o segundo com o seu trabalho..."

No contexto socioeconômico brasileiro, o método a que o texto se refere identifica-se com:
a) a parceria e o café.
b) a meação e o tabaco.
c) o escravo e o açúcar.
d) a servidão e o cacau.
e) o assalariado e o algodão.
GABARITO

1. [D]

2. [C]

3. [B]

4. [B]

5. [D]

6. V V V V F

7. [E]

8. 02 + 08 + 16 + 32 = 58

9. 01 + 02 = 03

10. [E]

11. [A]

12. [B]

13. [D]

14. [B]

15. V V V F F

16. V V F

17. 01 + 02 + 04 + 16 = 23

18. 01 + 02 + 16 = 19

19. 02 + 32 = 34

20. 01

21. [B]

22. [C]

23. [E]

24. [D]

25. [A]

26. V F V F

27. [C]

28. [C]

29. [D]

30. 01 + 08 = 09

31. [C]

32. [A]

33. [B]

34. [B]

35. [B]

36. [E]

37. [A]

38. [E]

39. [C]

40. [B]

41. [B]

42. [C]

43. [E]

44. [B]

45. [D]

46. [D]

47. [D]

48. [D]

49. [C]

50. [A]